Biblioteca Municipal expõe cerca de 350 presépios de Portugal e do resto do Mundo do coleccionador Miranda Garcia.

No domingo, dia 9 de dezembro foi dia da abertura oficial da exposição “Presépios, por Portugal e pelo Mundo”, com a presença do Rev. Padre Basílio Firmino que procedeu à bênção dos presépios, do grupo coral da paróquia de Mêda que entoou canções de Natal, e de um momento de poesia com poetas do concelho a declamar poemas alusivos à quadra natalícia.

É um privilégio ver expostos na Biblioteca Municipal de Mêda (Átrio e Sala de Adultos), uma exposição tão grandiosa, quer em quantidade, quer em diversidade, composta pelas obras de um colecionador particular, nascido em Seia, o Dr. Miranda Garcia, que entendeu partilhar com as terras de Mêda o seu espólio, resultante de uma maneira muito própria de ocupar o tempo livre e de um trabalho exaustivo de recolha e de paixão pelo ícone mais relevante da quadra natalícia. Tratou-se de um presente de Natal antecipado a todos os Munícipes do concelho de Mêda, que despertou sentimentos e emoções variadas, por vezes recordações de infância, proporcionando-lhes um enriquecimento cultural pela arte. São cerca de trezentos e cinquenta presépios feitos por criadores de diferentes culturas, que manusearam os materiais mais impensáveis de acordo com a sua imaginação e criatividade sem limites. Figuram presépios de países de todos os continentes com exceção da Oceânia e todas as regiões do nosso país estão representadas incluindo as regiões autónomas. São presépios que simbolizam a união, o amor e a paz que deve existir entre as famílias e os povos de todo o Mundo.

Nesta maravilhosa coleção impera a beleza, a harmonia, a igualdade, a humildade, a ternura, a graça cuja disposição e enquadramento dão vida à Biblioteca Municipal de Mêda. Visite a exposição e encete uma viagem pelo Mundo, por diferentes espaços, diferentes regiões visto que esta mostra consegue ser o espelho cultural do Mundo. O visitante também poderá encontrar e admirar presépios feitos por pessoas da Mêda, enquanto forma de valorizar o que é nosso e enquanto forma de participação da comunidade medense. Num Mundo cada vez mais globalizado, esta mostra assume contornos de globalização cultural e religiosa e por esta sua abrangência representa precisamente o tamanho desse mesmo Mundo. A exposição estará patente até ao dia 8 de Janeiro.