Sessão Solene Comemorativa do 25 de abril

Comemorou-se no passado dia 25, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, o 40º aniversário do 25 de abril.

A Sessão Solene teve início com o presidente da Assembleia Municipal a dirigir-se aos presentes mencionando algumas palavras. De seguida usou a palavra António Óscar Sampaio, deputado municipal do PS enaltecendo os valores e a liberdade de expressão que a Revolução de 25 de abril de 1974 trouxe ao povo Português. Seguidamente, o deputado João Zeferino, deputado do PSD, após dirigir os cumprimentos aos presentes, lembrou as dificuldades existentes e a falta de desenvolvimento que fazia sentir no concelho, no período do antigo regime e que com o 25 de abril se permitiu dar um enorme salto qualitativo para as condições de vida de todos os medenses.

Para terminar esta Sessão solene, o Presidente da Câmara Municipal, Anselmo Sousa, enalteceu no seu discurso, a importância de nunca se esquecer o passado, pois a memória permite avaliar de uma forma exata o passado e o futuro. A Revolução de Abril simboliza a conquista da liberdade e da igualdade por um povo com pouca dignidade humana e direitos humanos até à data de então. Abril pôs os portugueses em movimento, a discutir ideias e pensamentos com vista ao futuro, respeitando as diferenças de todos. A entrada de Portugal na União Europeia tem de ser entendida com um importante marco de desenvolvimento para Portugal só possível com a concretização dos Valores de Abril. Alertou para o facto de passados 40 anos do 25 abril, alguns portugueses tenderem a fazer generalizações que conduzem a excessos de otimismo ou de pessimismo. É fundamental a existência de um regime que se aproxime dos seus eleitores, que diminua o abstencionismo e desconfiança. Às 3 palavras de ordem de Abril, Democracia, Descolonização e Desenvolvimento, não deveria ser permitido suceder o Desemprego, a Desertificação, a Demagogia e a Descriminação em termos de políticas para o Interior. São fundamentais políticas que tenham em preocupação de desenvolver de forma harmoniosa o país, evitando assimetrias no território nacional. É fundamental dizer “Não” ao encerramento de serviços fundamentais como a Justiça, a Saúde e Finanças, assim como inverter as estatísticas de emigração da população jovem.

Terminou o seu discurso referindo que teme que com estas políticas que os governantes estão a ter para com o Interior, com estes encerramentos de serviços, sem perspetivas de investimentos, estejam postas em causa a conquista da Liberdade e da Igualdade que Abril nos proporcionou, demonstrando que o governo não tem uma estratégia de organização de políticas administrativa para o País, particularmente para o Interior, estando convicto que o verdadeiro objetivo deste governo é a extinção dos municípios do Interior, ao qual combateremos sem tréguas esta pretensão do poder central.